Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Bar Hebreus’

cron

O Registro das Eras (ܡܟܬܒܢܘܬ ܙܒܢܐ), por Bar Hebraeus.

Trabalho histórico de Bar Hebraeus, chamado O Registro dos Tempos/das Eras (ܡܟܬܒܢܘܬ ܙܒܢܐ). A obra é dividida em duas partes. A primeira parte trata sobre a história civil e política do mundo, começando com Adão e indo até os próprios dias do autor, e se chama Crônica, ou Cronografia (ܟܪܘܢܘܓܪܐܦܝܐ). A segunda parte é uma História Eclesiástica.

[texts] St. Marks Monastery 3.9 – Center for the Preservation of Ancient Religious Texts, BYU
Chronicle of the ages
Keywords: Manuscript; Syriac Manuscript; St. Mark’s Monastery (Jerusalem)
Downloads: 20

O manuscrito, que pertence ao Mosteiro de São Marcos, em Jerusalém, tem a obra completa, e data entre 1496 e 1503 AD.

Para uma descrição completa do manuscrito, em inglês:  clique aqui.

PS: clique aqui para uma breve discussão sobre esta obra.

Edições

Primeira Parte (História Civil e Política)

P. Bruns and G.W. Kirsch, eds. Bar-Hebraei Chronicon Syriacum, 2 vols. (Leipzig, 1789).

P. Bedjan, ed. Gregorii Barhebræi Chronicon Syriacum e codd. mss. emendatum ac punctis vocalibus adnotationibusque locupletatum (Paris, 1890).

Segunda Parte (História Eclesiástica)

J.-B. Abbeloos and T.J. Lamy, eds. and trans., Gregorii Barhebræi Chronicon ecclesiasticum, 3 vols. (Paris, 1872–1877).

 

 

Read Full Post »

bannerar

O texto conhecido como Awzar Raze (ܐܘܨܪ ܐܪܙܐ), ou O Armazém dos Mistérios (também Depósito de Mistérios, latim: Horreum Mysteriorum), escrito por Bar Hebreus em 1277-78 A.D., é composto por comentários sobre toda a Biblia, Antigo e Novo Testamento. Usando como base o texto da Peshitta, o autor compara as passagens bíblicas com outras versões da bíblia aramaica, comentando sobre as diferenças gramaticais entre cada uma. Bar Hebreus também traz  comentários exegéticos e doutrinais, compilados de autores e Pais da Igreja anteriores a ele,  junto com seus próprios comentários.

Manuscritos

Mosteiro de São Marcos, Jerusalém (CPART – BYU) – manuscrito com a obra completa, inclui comentários de todos os livros do AT e NT.

[texts] St. Mark’s Monastery 3.4 – Center for the Preservation of Ancient Religious Texts, BYU
The book of the storehouse of the mysteries
Keywords: Manuscript; Syriac Manuscript; St. Mark’s Monastery (Jerusalem)
Downloads: 9

Edições – Comentários ao Antigo Testamento

Hasse, Johann Gottfried. Ein Syrisches Anekdoton von Gregorius Barhebräus (II Reis 1-5). Biblisch-Orientalische Aufsätze. 1793. [Link]

Rhode, Henricus , Gregorii Barhebraei scholia in Psalmum quintum et decimum octavum e codicis Biblothecae Bodleianae apographo Bernsteniano. Vratislaviae:Max et Socius, 1832.  [Link]

Tullberg, Otto Fridericus and Ridderbjelke, Carl Aake , eds. Gregorii Bar Hebraei in Jesaiam scholia: e codicibus mss. Syriacis Musei Brit. Londinensis et Bibliothecae Bodl. Oxoniensis. Uppsala:Leffler & Sebell, 1842. [Link]

Tullberg, Otto Fridericus and Styffe, Carl Gustaf , eds. Gregorii Bar Hebraei in Psalmos scholiorum specimen e codicibus mss. Syriacis Musei Brit. Londinensis et Bibliothecae Bodl. Oxoniensis. Uppsala:1842. [Link]

Knobloch, Cyrillus. Gregorii Bar-Hebraei Scholia in Psalmum LXVIII. e codicibus mss. syriacis Bibliothecae Florentinae et Clementino-Vaticanae et Bodleianae Oxoniensis primum edita et annotationibus. Breslau (Vratislavia). 1852. [Link]

Schröter, Robert , Gregorii Bar-Hebraei scholia in Psalmum VIII, XL, XLI, L, e codice berolinensi primum edita, cum codicibus bodleiano florentino vaticanis collata translata et annotationibus instructa. Breslau:Grassius, Barthius & Soc., 1857. [Link]

Bernstein, Georg Heinrich , Gregorii Bar-Hebraei scholia in librum Iobi. Vratislaviae:Typis Universitatis, 1858. [Link]

Schröter, Robert , ”Bar-Hebraeus’ Scholien zu Gen. 49.50. Ex. 14.15. Deut. 32-34 und Jud. 5”, Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft 24 (1870): 495-562. [Link]

Fuchs, Emanuel , Die Scholien des Bar-Hebraeus zum XXIII. und XXIX. Psalm. Halle:Buchhandlung des Waisenhauses, 1871. [Link]

Schröter, Robert , ”Scholien des Bar-Hebraeus zu Psalm III. IV. VI. VII. IX–XV. XXIII. LIII., nebst dessen Vorrede zum Neuen Testamente”, Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft 29 (1875): 247-303. [Link]

de Lagarde, Paul A. , Praetermissorum libri duo. Göttingen:Dieterichsche Universitätsbuchhandlung, 1879. [Link]

Moritz, Bernhard , Gregorii Barhebraei in duodecim prophetas minores scholia. Leipzig:B.G. Teubner, 1882. [Link]

Rahlfs, Alfred , Des Gregorius Abulfarag genannt Bar Ebhroyo Anmerkungen zu den Salomonischen Schriften. Leipzig:W. Drugulin, 1887. [Link]

Weingarten, Lasser , Die syrische Massora nach Bar-Hebraeus. Der Pentateuch. Halle an der Salle:Friedrichs-Universität, 1887. [Link]

Heppner, Aron , Die Scholien des Bar-Hebraeus zu Ruth und den apokryphischen Zusätzen zum Buche Daniel nach den vier in Deutschland befindlichen Handschriften von Bar-Hebraeus’ אוצר ארזא. Halle an der Salle:Heynemann, 1888. [Link]

Freimann, Jacob , Des Gregorius Abulfarag, gen. Bar-Hebräus, Scholien zum Buche Daniel. Beiträge zum Geschichte der Bibelexegese 1. Brünn:Bernard Epstein, 1892. [Link]

Kaatz, Saul , Die Scholien des Gregorius Abulfaragius Bar Hebraeus zum Weisheitsbuch des Josua ben Sira nach vier Handschriften des Horreum mysteriorum mit Einleitung, Uebersetzung und Anmerkungen. Frankfurt am Main:J. Kauffmann, 1892. [Link]

Gugenheimer, Raphael , Die Scholien des Gregorius Abulfaragius Bar Hebraeus zum Buche Ezechiel nach vier Handschriften des Horreum mysteriorum mit Einleitung und Anmerkungen. Berlin:H. Itzkowski, 1894. [Link]

Kraus, Vlastimil , Gregorii Barhebraei scholia in libros Josuae et Judicum. Kirchhain N.-L.:G. Zahn & H. Baendel, 1894. [Link]

Kerber, George , Gregorii Abulfaragii Bar-Hebraei scholia in Leviticum ex quattuor codicibus Horrei mysteriorum in Germania asservatis. Leipzig:W. Drugulin, 1895. [Link]

Kerber, George , Syrohexaplarische Fragmente zu Leviticus und Deuteronomium aus Bar-Hebraeus gesammelt. Zeitschrift für die alttestamentliche Wissenschaft 16 (1896): 249-264. [Link]

Kerber, George , ”A Commentary to Deuteronomy: Taken from the Four German Manuscripts Which Comprise the Ausar Raze of Gregory Abulfarag Bar-Hebraeus”, American Journal of Semitic Languages and Literatures 13:2 (1897): 89-117. [Link]

Schlesinger, Aemilius , Gregorii Abulfaragii Bar-Hebraei scholia in libros Samuelis ex quattuor codicibus Horrei Mysteriorum in Germania asservatis edita. Leipzig:W. Drugulin, 1897. [Link]

Kerber, George , Syrohexaplarische Fragmente zu den beiden Samuelisbüchern aus Bar-Hebraeus gesammelt. Zeitschrift für die alttestamentliche Wissenschaft 18 (1898): 177-196. [Link]

Uhry, Lucian , Die Scholien des Gregorius Abulfaraġ Barhebraeus zur Genesis Capitel 21 bis 50, nach den vier in Deutschland vorhandenen Handschriften des Auṣar Rāzē. Leipzig:W. Drugulin, 1898. [Link]

Göttsberger, Johann , Barhebräus und seine Scholien zur Heiligen Schrift. Biblische Studien 5.4-5. Freiburg im Breisgau:Herder, 1900. [Link]

Göttsberger, Johann , ”Die syro-armenischen und die syro-koptischen Bibelcitate aus den Scholien des Barhebräus”, Zeitschrift für die alttestamentliche Wissenschaft 21 (1901): 101-141. [Link]

Pincus, Siegbert , Die Scholien des Gregorius Abulfarag Barhebräus zum Buche Numeri nach den vier in Deutschland vorhandenen Handschriften des Ausar râzê. Zeitschrift für Assyriologie 28. Strassburg:Trübner & Co., 1913. [Link]

Pincus, Siegbert , ”Die Scholien des Barhebraeus zu Exodus”, Zeitschrift der Deutschen Morgenländischen Gesellschaft 69 (1915): 225-270; 70 (1916), 97-125. [Link parte 1] [Link parte 2]

Sprengling, Martin and Graham, William C. , eds. Barhebraeus’ Scholia on the Old Testament. Part I: Genesis – II Samuel. University of Chicago, Oriental Institute Publications 13. Chicago, Illinois:The University of Chicago Press, 1931. [Link]

Edições – Comentários ao Novo Testamento

Klamroth, Martin , Gregorii Abulfaragii Bar Ebhraya in actus Apostolorum et epistolas catholicas adnotationes. Göttingen:Dieterichsche Universitätsbuchhandlung, 1878. [Link]

Schwartz, R. , Gregorii bar Ebhraya in Evangelium Iohannis commentarius e Thesauro Mysteriorum desumptum. Göttingen:Dieterichsche Buchhandlung, 1878. [Link]

Spanuth, Johannes , Gregorii Abulfarag bar Ebhraya in Evangelium Matthaei scholia. Göttingen:Dieterichsche Buchhandlung, 1879. [Link]

Loehr, Maximilian, Gregorii Abulfaragii bar Ebhraya in epistulas Paulinas adnotationes Syriace. Ph.D. dissertation, Göttingen 1889. Göttingen:Dietrich Reimer, 1889. [Link]

Carr, Wilmot Eardley W. , Gregory Abu’l Faraj, Commonly Called Bar-Hebræus. Commentary on the Gospels from the Horreum Mysteriorum. London:Society for Promoting Christian Knowledge, 1925. [Link]

Read Full Post »

De rebus gestis Richardi Angliae regis in Palaestina, excerptum ex Gregorii Abulpharagii Chronico Syriaco, ed., vertit, illustr. P.J. Bruns

Visualização e Download: clique aqui.


Esta pequena crônica em aramaico (siríaco) (que faz parte de um texto maior conhecido como Chronicon Syriacum), escrito por Bar Hebreus (1226-1286 A.D.) trata, parcialmente, dos conflitos entre Ricardo Coração de Leão e Saladino durante os eventos da Terceira Cruzada. Interessante pois nos dá uma visão oriental dos fatos e talvez mereça um estudo mais profundo. Já traduzi as primeiras páginas para o português e oportunamente publicarei aqui no nosso blog.

Texto aramaico começa no fim do documento. Tradução e notas em latim.

Read Full Post »

Veja a primeira parte deste artigo clicando aqui.

Marcos 1:10

Peshitta

ܘܡܚܕܐ ܕܤܠܩ ܡܢ ܡܝܐ ܚܙܐ ܕܐܤܬܕܩܘ ܫܡܝܐ ܘܪܘܚܐ ܐܝܟ ܝܘܢܐ ܕܢܚܬܬ ܥܠܘܗܝ

E logo que levantou das águas, viu que se abriam os céus, e o espírito, como uma pomba, que desceu sobre ele.

Bar Hebreus

ܘܡܚܕܐ ܕܤܠܩ ܡܢ ܡܝܐ܂ ܗ ܗܘ ܡܪܢ܂ ܚܙܐ ܗ ܝܘܚܢܢ ܡܥܡܕܢܐ ܕܐܤܬܕܩܘ ܫܡܝܐ

E logo que levantou das águas. Obs.: ele, o nosso Senhor. Viu. Obs.: João Batista. Que se abriam os céus.

Marcos 1:12

Peshitta

ܘܡܚܕܐ ܐܦܩܬܗ ܪܘܚܐ ܠܡܕܒܪܐ

E imediatamente, o espírito levou-o para o deserto.

Bar Hebreus

ܘܡܚܕܐ ܐܦܩܬܗ ܒܪܒܨ ܦܐ ܘܪܘܟܟ ܬܘ ܪܘܚܐ ܗ ܕܩܘܕܫܐ ܠܡܕܒܪܐ

E imediatamente levou-o. Obs.: (pê com reboso e tau com rukakha). O espírito. Obs.: da Santidade. Para o deserto.

Marcos 1:13

Peshitta

ܘܗܘܐ ܬܡܢ ܒܡܕܒܪܐ ܝܘܡܬܐ ܐܪܒܥܝܢ ܟܕ ܡܬܢܤܐ ܡܢ ܤܛܢܐ ܘܐܝܬܘܗܝ ܗܘܐ ܥܡ ܚܝܘܬܐ ܘܡܫܡܫܝܢ ܗܘܘ ܠܗ ܡܠܐܟܐ

E ele esteve lá, no deserto, quarenta dias, enquanto era tentado por Satana. E ele estava com as bestas, e os anjos serviam-no.

Bar Hebraus

ܘܐܝܬܘ ܗܘܐ ܥܡ ܚܝܘܬܐ ܝܘ ܥܡ ܚܝܘܬ ܫܢܐ ܒܙܩܦ ܘܐܘ ܘܪܒܨ ܫܝܢ

E estavava com as bestas. Grego: com bestas (varia o vaw com zeqofo e o rebozo do xin).

Marcos 1:15

Peshitta

ܘܐܡܪ ܫܠܡ ܠܗ ܙܒܢܐ ܘܡܛܬ ܡܠܟܘܬܐ ܕܐܠܗܐ ܬܘܒܘ ܘܗܝܡܢܘ ܒܤܒܪܬܐ

e disse: terminou o tempo, e chegou o Reino de Deus. Voltem2, e acreditem no Evangelho.

Bar Hebreus

ܫܠܡ ܠܗ܂ ܝܘ ܐܫܬܡܠܝ ܗܘ ܙܒܢܐ܂ ܗ ܕܛܠܢܝܬܗ ܕܢܡܘܤܐ܂ ܘܡܛܬ ܡܠܟܘܬܐ ܕܐܠܗܐ ܗ ܤܒܪܬܐ ܡܚܝܢܝܬܐ

Terminou. Grego: está terminado o tempo. Obs.: da sombra da lei. E chegou o Reino de Deus. Obs.: a Mensagem salvadora.

Marcos 1:19

Peshitta

ܘܟܕ ܥܒܪ ܩܠܝܠ ܚܙܐ ܠܝܥܩܘܒ ܒܪ ܙܒܕܝ ܘܠܝܘܚܢܢ ܐܚܘܗܝ ܘܐܦ ܠܗܘܢ ܒܤܦܝܢܬܐ ܕܡܬܩܢܝܢ ܡܨܝܕܬܗܘܢ

E quando ele avançou um pouco, viu Yaqub, filho de Zawdi, e Yukhanan seu irmão; e também àqueles  em um barco no qual consertavam as suas redes.

Bar Hebreus

ܘܐܦ ܠܗܘܢ ܒܤܦܝܢܬܐ ܒܒܠܥ ܢܘܢ܂ ܕܡܬܩܢܝܢ ܒܦܬܚ ܡ ܡܨܝܕܬܗܘܢ

E também àqueles em um barco (nun silencioso). Que consertavam (petokho no mim). As suas redes.

Marcos 1:23

Peshitta

ܘܐܝܬ ܗܘܐ ܒܟܢܘܫܬܗܘܢ ܓܒܪܐ ܕܐܝܬ ܗܘܐ ܒܗ ܪܘܚܐ ܛܡܐܬܐ ܘܩܥܐ

E havia na assembléia deles um homem no qual estava um espírito impuro, e ele exclamou

Bar Hebreus

ܓܒܪܐ ܕܐܝܬ ܗܘܐ ܒܗ ܪܘܚܐ ܛܡܐܬܐ ܒܦܬܚ ܛܝܬ ܘܡ ܢܤܛ ܒܪܒܨ ܡ ܝܘ ܛܡܐܐ

Um homem no qual estava um espírito impuro (com petokho no tet e no mim). Nestoriano: com reboso no mim. Grego: impuro.

Marcos 1:24

Peshitta

ܘܐܡܪ ܡܐ ܠܢ ܘܠܟ ܝܫܘܥ ܢܨܪܝܐ ܐܬܝܬ ܠܡܘܒܕܘܬܢ ܝܕܥ ܐܢܐ ܠܟ ܡܢ ܐܢܬ ܩܕܝܫܗ ܕܐܠܗܐ

e disse: O que é para nós e para ti3, Yeshua Nasraya? Tu vieste destruir-nos? Eu sei quem tu és: o Santo de Deus.

Bar Hebreus

ܡܐ ܠܢ ܘܠܟ ܗ ܐܝܟ ܕܡܢ ܦܘܡ ܟܠܗܘܢ ܫܐܪܐ ܡܡܠܠ ܗܘܐ ܚܕ

O que é para nós e para ti. Obs.: era um falando como se fosse da boca de todos os demônios.

Marcos 1:25

Peshitta

ܘܟܐܐ ܒܗ ܝܫܘܥ ܘܐܡܪ ܤܟܘܪ ܦܘܡܟ ܘܦܘܩ ܡܢܗ

E repreendeu-o Yeshua, e disse: cala a tua boca, e sai dele.

Bar Hebreus

ܤܟܘܪ ܦܘܡܟ ܝܘ ܐܬܟܠܡ ܒܦܬܚ ܒܝܬ ܘܫܠܝ ܠܡܕ

Cala a tua boca. Grego: fique calado. Com petokho no bit e lâmad sem vogal.

Marcos 1:26

Peshitta

ܘܫܕܬܗ ܪܘܚܐ ܛܢܦܬܐ ܘܩܥܬ ܒܩܠܐ ܪܡܐ ܘܢܦܩܬ ܡܢܗ

E derrubou-o o espírito impuro e clamou em voz alta, e saiu dele.

Bar Hebreus

ܘܫܕܬܗ ܪܘܚܐ܂ ܝܘܢܝܐ ܟܥܩܗ ܒܦܬܚ ܒܝܬ

E derrubou-o o espírito. Grego: rompeu-o (com petokho no bit).

Marcos 1:31

Peshitta

ܘܩܪܒ ܐܚܕܗ ܒܐܝܕܗ ܘܐܩܝܡܗ ܘܡܚܕܐ ܫܒܩܬܗ ܐܫܬܐ ܘܡܫܡܫܐ ܗܘܬ ܠܗܘܢ

E ele chegou próximo e pegou-a pela sua mão, e levantou-a. E imediatamente a febre deixou-a, e ela servia-os.

Bar Hebreus

ܘܡܚܕ ܫܒܩܬܗ ܒܪܘܟܟ ܬܘ ܐܫܬܐ ܒܪܒܨ ܐܠܦ ܘܙܩܦ ܫܝܢ

E imediatamente deixou-a (com rucakha no tau). A febre (com rebozo no alap e zeqofo no xin).

Marcos 1:35

Peshitta

ܘܒܨܦܪܐ ܩܕܡ ܩܡ ܛܒ ܘܐܙܠ ܠܐܬܪܐ ܚܘܪܒܐ ܘܬܡܢ ܡܨܠܐ ܗܘܐ

E de manhã, ele levantou muito antes4 e foi para uma região deserta, e lá ele ficou orando.

Bar Hebreus

ܘܐܙܠ ܠܐܬܪܐ ܚܘܪܒܐ ܒܩܘܫܝ ܒ ܒܗܝ ܕܒܪܘܟܟܐ ܫܡܐ ܗܝ ܕܦܪܚܬܐ ܡܕܡ܂ ܐܝܟ ܗܝ ܕܚܘܪܒܐ ܩܢܗ ܒܫܪܘܝܢܐ

E foi para uma região deserta. Com qushaia no bit, pois com rukakha, é o nome de uma certa ave, como em “a garça faz o ninho no cipreste”.

Marcos 1:38

Peshitta

ܐܡܪ ܠܗܘܢ ܗܠܟܘ ܠܩܘܪܝܐ ܘܠܡܕܝܢܬܐ ܕܩܪܝܒܢ ܕܐܦ ܬܡܢ ܐܟܪܙ ܠܗܕܐ ܓܝܪ ܐܬܝܬ

Ele disse para eles: Vão para as vilas e cidades que estão próximas, pois também lá eu pregarei. Para isto, pois, eu vim.

Bar Hereus

ܗܠܟܘ ܠܩܘܪܝܐ ܘܠܡܕܝܢܬܐ ܝܘ ܓܕܘ ܒܪܒܨ ܓ ܠܩܘܪܝܬ ܒܙܩܦ ܝܘܕ ܡܕܝܢܬܐ

Vão para as vilas e cidades. Grego: interior (com reboso no gamal) das vilas (com zeqopho no yud) [e] cidades.

Marcos  1:40

Peshitta

ܘܐܬܐ ܠܘܬܗ ܓܪܒܐ ܘܢܦܠ ܥܠ ܪܓܠܘܗܝ ܘܒܥܐ ܗܘܐ ܡܢܗ ܘܐܡܪ ܠܗ ܐܢ ܨܒܐ ܐܢܬ ܡܫܟܚ ܐܢܬ ܠܡܕܟܝܘܬܝ

E veio até ele um leproso, e caiu sobre seus pés e suplicou por ele e disse-lhe: se tu queres, tu podes fazer-me limpo.

Bar Hebreus

ܘܐܬܐ ܠܘܬܗ ܓܪܒܐ ܒܩܘܫܝ ܒ ܝܘ ܓܪܒܢܐ ܒܢܘܢ

E veio até ele um leproso. Grego: leproso (com nun).

Marcos 1:42

Peshitta

ܘܒܗ ܒܫܥܬܐ ܐܙܠ ܡܢܗ ܓܪܒܗ ܘܐܬܕܟܝ

E naquela hora, sua lepra saiu dele, e ele foi tornado limpo.

Bar Hebreus

ܘܐܙܠ ܡܢܗ ܓܪܒܗ ܒܪܘܟܟ ܒ

E saiu dele a sua lepra. Com rukakha no bit.

Marcos 1:44

Peshitta

ܘܐܡܪ ܠܗ ܚܙܝ ܠܡܐ ܠܐܢܫ ܐܡܪ ܐܢܬ ܐܠܐ ܙܠ ܚܘܐ ܢܦܫܟ ܠܟܗܢܐ ܘܩܪܒ ܩܘܪܒܢܐ ܚܠܦ ܬܕܟܝܬܟ ܐܝܟܢܐ ܕܦܩܕ ܡܘܫܐ ܠܤܗܕܘܬܗܘܢ

e disse: Veja, não diga para ninguém, mas vá, mostre-se ao sacerdote e oferece um sacrifício pela tua purificação5 como comandou Mosha, para testemunho deles.

Bar Hebreus

ܐܝܟܢܐ ܕܦܩܕ ܒܦܬܚ ܦܐ ܡܘܫܐ

Como comandou (com petokho no pe) Mosha.

Marcos 1:45

Peshitta

ܗܘ ܕܝܢ ܟܕ ܢܦܩ ܫܪܝ ܗܘܐ ܡܟܪܙ ܤܓܝ ܘܐܛܒܗ ܠܡܠܬܐ ܐܝܟܢܐ ܕܠܐ ܢܫܟܚ ܗܘܐ ܝܫܘܥ ܓܠܝܐܝܬ ܕܢܥܘܠ ܠܡܕܝܢܬܐ ܐܠܐ ܠܒܪ ܗܘܐ ܒܐܬܪܐ ܚܘܪܒܐ ܘܐܬܝܢ ܗܘܘ ܠܘܬܗ ܡܢ ܟܠ ܕܘܟܐ

Ele, mas, quando partiu, começou a proclamar muito, e fez saber o ocorrido, o que não possibilitou Yeshua de entrar abertamente na cidade, mas ficou fora, em local deserto, e vinham até ele de todos os lugares.

Bar Hebreus

ܘܐܛܒܗ ܒܪܘܟܟ ܒܝܬ ܝܘܢܝܐ ܘܛܒܒܗ ܠܡܠܬܐ

E fez saber (com rukakha no bit). Grego: epalhou o ocorrido.

Read Full Post »

O texto conhecido como Awzar Raze (ܐܘܨܪ ܐܪܙܐ), ou O Armazém dos Mistérios (também Depósito de Mistérios, latim: Horreum Mysteriorum), escrito por Bar Hebreus em 1277-78 A.D., é composto por comentários sobre toda a Biblia, Antigo e Novo Testamento. Usando como base o texto da Peshitta, o autor compara as passagens bíblicas com outras versões da bíblia aramaica, comentando sobre as diferenças gramaticais entre cada uma. Bar Hebreus também traz  comentários exegéticos e doutrinais, compilados de autores e Pais da Igreja anteriores a ele,  junto com seus próprios comentários.

O texto nunca foi publicado de forma completa. O que temos são publicações de  porções do comentário por diferentes autores, principalmente por pesquisadores como parte de teses de doutorado.

Mas, felizmente, o Centro Para a Preservação de Textos Religiosos Antigos, da Universidade de Brigham (CPART/BYU – Center for the Preservation of Ancient Religious Texts/Brigham Young University) disponibilizou em sua biblioteca digital um manuscrito completo que contêm este trabalho. A biblioteca digital tem duas seções principais: uma é chamada Brown Collection, e que inclui manuscritos microfilmados que pertencem ao monastério de São Marcos, em Jerusalem. O manuscrito que contêm os comentários de Bar Hebreus está numerado como SMC 3-4. A outra, Syriac Books, possui publicações,  incluindo um livro de W. E. Carr com a porção dos comentários de Bar Hebreus sobre os Evangelhos.

Apresento abaixo a tradução do comentário sobre Marcos 1:1-6, retirado do manuscrito SMC 3-4, referido acima. É importante, antes, observarmos o seguinte: a versão da bíblia que Bar Hebreus denomina Grego, é (provavelmente) a tradução que Philoxeno de Mabug fez da bíblia grega para o aramaico no início do século VI, e portanto é bastante posterior à Peshitta. O autor procura apresentar as diferenças gramaticais entre a tradução de Philoxeno e a Peshita, principalmente no que diz respeito à acentuação e pronúncia das palavras no aramaico.  Para uma melhor compreensão e fluidez do texto traduzido, coloquei entre colchetes [ ] palavras que não constam no texto aramaico, mas são inferidas por mim. Entre parênteses ( ) os comentários referentes à gramática.

Este texto fará parte de um projeto que comecei a desenvolver já há algum tempo, e que pretendo publicar em meu outro blog, Textos Aramaicos (blog dedicado exclusivamente aos textos que estou traduzindo para a língua portuguesa). Este projeto se chama Comentários Bíblicos na Tradição Aramaica, e que será uma compilação de comentários em aramaico sobre a bíblia. Num primeiro momento, estou coletando os comentários sobre o Evangelho de Marcos.

Aqui, não posso deixar de agradecer ao diretor do CPART/BYU, que gentilmente permitiu-me utilizar do material oferecido pelo site para este projeto, material este que é de fundamental importância para todos os que desejam estudar sobre a tradição e cultura aramaica em qualquer de seus ramos.

Vou apresentar primeiro o versículo bíblico de acordo com a Peshitta, depois o comentário de Bar Hebreus.

Marcos 1:1

Peshitta:

ܪܫܐ ܕܐܘܢܓܠܝܘܢ ܕܝܫܘܥ ܡܫܝܚܐ ܒܪܗ ܕܐܠܗܐ

O início do Evangelho de Yeshua* o Messias, o filho de Deus.

Bar Hebreus

ܪܫܐ ܕܐܘܢܓܠܝܘܢ ܕܝܫܘܥ ܡܫܝܚܐ ܗ ܕܥܡܕܐ ܐܝܬܘܗܝ ܪܫܐ ܕܐܘܢܓܠܝܘܢ ܐܟܡܐ ܕܡܪܩܘܤ ܛܟܤ ܝܕܝܥܐ ܡܢ ܗܝ ܕܡܢ ܩܕܡ ܕܢܥܡܕ ܡܪܢ ܠܐ ܐܟܪܙ ܐܦܠܐ ܤܒܪ܂ ܡܢ ܒܬܪ ܕܥܡܕ ܘܐܬܢܤܝ ܫܪܝ ܠܡܐܡܪ܂ ܬܘܒ ܩܪܒܬ ܠܗ ܡܠܟܘܬܐ ܕܫܡܝܐ܂ ܘܩܕ ܒܤܝܠܝܘܤ ܐܡܪ܂ ܕܗܘ ܡܪܩܘܤ ܠܘܩܕܡ ܐܬܚܫܚ ܒܫܡܐ ܗܢܐ ܕܐܘܢܓܠܝܘܢ ܘܝܕܝܥܐ ܗܕܐ ܡܢ ܗܝ ܕܬܠܬܐ ܐܘܢܓܠܤ[ܬܐ] ܐܚܪܢܐ ܠܐ ܐܬܕܒܪܘܗܝ܂

O início do Evangelho de Yeshua o Messias. Obs.: que o batismo é o início do Evangelho de acordo com o arranjo de Marcos, é sabido disso: que antes de nosso Senhor ser batizado, ele não pregou nem anunciou [algo]. Mas após o batismo, e ser tentado, ele começou a dizer: arrepende-te, o reino dos céus aproxima-se. E São Basílios disse que este Marcos usou primeiro este termo, do Evangelho, e sabemos este [fato] por isto: os outros três evangelistas não fizeram uso dele**.

Marcos 1:2

Peshitta

ܐܝܟ ܕܟܬܝܒ ܒܐܫܥܝܐ ܢܒܝܐ ܕܗܐ ܡܫܕܪ ܐܢܐ ܡܠܐܟܝ ܩܕܡ ܦܪܨܘܦܟ ܕܢܬܩܢ ܐܘܪܚܟ

Como está escrito em Eshaia o profeta: Eis que estou enviando o meu mensageiro ante a tua face, o qual irá preparar o teu caminho.

Bar Hebreus

ܐܝܟ ܕܟܬܝܒ ܒܐܫܥܝܐ ܢܒܝܐ܂ ܐܝܟ ܕܩܕܡ ܟܬܝܒ ܒܢܒܝܐ ܗ ܒܐܫܥܝܐ ܘܒܡܠܐܟܝ܂ ܒܐܫܥܝܐ ܡܢ ܩܠܐ ܕܩܪܐ ܒܡܕܒܪܐ܂ ܒܡܠܐܟܝ ܕܝܢ ܗܐ ܐܢܐ ܡܫܕܪ ܐܢܐ ܡܠܐܟܝ ܩܕܡ ܦܪܨܘܦܟ ܕܢܬܩܢ ܒܦܬܚ ܢܘܢ ܐܘܪܚܟ܂

Como está escrito em Eshaia o Profeta. Assim primeiro foi escrito nos Profetas. Obs.: em Eshaia e em Malaqui. Em Eshaia: a voz que clama no deserto. Então em Malaqui: eu estou enviando o meu mensageiro ante a tua face, o qual irá preparar (nun com petokho) o teu caminho.

Marcos 1:3

Peshitta

ܩܠܐ ܕܩܪܐ ܒܡܕܒܪܐ ܛܝܒܘ ܐܘܪܚܗ ܕܡܪܝܐ ܘܐܫܘܘ ܫܒܝܠܘܗܝ

A voz que clama no deserto: Preparem o caminho do SENHOR, e endireitem suas estradas.

Bar Hebreus

ܩܠܐ ܕܩܪܐ ܒܡܕܒܪܐ ܗ ܩܠܐ ܐܬܩܪܝ ܝܘܚܢܢ܂ ܒܗܝ ܕܥܠ ܡܠܬܐ ܡܫܝܚܐ ܐܠܗܐ ܒܕܩ ܡܢ ܓܝܪ ܩܠܐ ܡܬܒܕܩܐ ܡܠܬܐ ܕܟܤܝܐ ܒܢܦܫܐ܂ ܘܐܫܘ ܒܦܬܚ ܘܐܘ ܫܒܝܠܘܗܝ ܝܘܢܝܐ ܐܪܨܐ ܥܒܕܘ ܫܒܝܠܐ ܕܐܠܗܐ ܕܠܢ܂

A voz que clama no deserto. Obs.: Yukhanan é chamado a Voz, pois ele declarou a Palavra [do] Messias [e] Deus. Pois pela voz torna-se conhecida a palavra que está escondida na alma. E endireitem (wau com petokho) suas estradas. Grego: façam retas as estradas do nosso Deus.

Marcos 1:5 (Bar hebreus não comenta todos os versos bíblicos)

Peshitta

ܘܢܦܩܐ ܗܘܬ ܠܘܬܗ ܟܠܗ ܟܘܪ ܕܝܗܘܕ ܘܟܠܗܘܢ ܒܢܝ ܐܘܪܫܠܡ ܘܡܥܡܕ ܗܘܐ ܠܗܘܢ ܒܝܘܪܕܢܢ ܢܗܪܐ ܟܕ ܡܘܕܝܢ ܒܚܛܗܝܗܘܢ

E saía em direção a ele toda a região de Yehuda e todos os filhos de Urishlim, e ele batizava-os no Yordanan o rio, enquanto  confessavam em seus pecados.

Bar Hebreus

ܘܢܦܩܐ ܗܘܬ ܠܘܬܗ ܟܠܗ ܟܘܪ ܒܥܨܨ ܟܦ ܡܩܫܝܬܐ ܝܘܢܝܐ ܟܘܪܐ ܒܙܟܦ ܟܦ ܡܪܟܟܬܐ ܘܦܬܚ ܪܫ ܘܡܥܡܕ ܗܘܐ ܠܗܘܢ ܒܝܘܪܕܢܢ ܢܗܪܐ ܟܕ ܡܘܕܝܢ ܒܚܛܗܝܗܘܢ ܗ ܡܢ ܗܪܟܐ ܝܕܝܥܐ ܕܐܠܨܝܬܐ ܐܝܬܝܗ ܡܘܕܝܢܘܬܐ ܠܡܗܝܡ

E saía em direção a ele toda a região (caph com esoso qushaia). Grego: a região (caph com zeqofo rukakha, rish com petokho). E ele batizava-os no Yordanan o rio, enquanto  confessavam em seus pecados. Obs.: com isso nós sabemos que é urgente a confissão para o fiel.

Marcos 1:6

Peshitta

ܗܘ ܕܝܢ ܝܘܚܢܢ ܠܒܝܫ ܗܘܐ ܠܒܘܫܐ ܕܤܥܪܐ ܕܓܡܠܐ ܘܐܤܝܪ ܗܘܐ ܥܪܩܬܐ ܕܡܫܟܐ ܒܚܨܘܗܝ ܘܡܐܟܘܠܬܗ ܐܝܬܝܗ ܗܘܬ ܩܡܨܐ ܘܕܒܫܐ ܕܒܪܐ

Mas ele, Yukhanan, estava vestido com uma roupa de pêlo de camelos e um cinto de couro cingido em sua cintura, e sua comida era ‘qamtsa’*** e mel do campo.

Bar Hebreus

ܕܤܥܪܐ ܕܓܡܠܐ ܒܪܒܨ ܠܡܕ ܝܘܢܝܐ ܡܙܩܦ ܠܡܕ܂ ܘܐܤܝܪ ܗܘܐ ܥܪܩܬܐ ܒܪܒܨ ܥܐ ܘܦܬܚ ܪܫ ܕܡܫܟܐ ܒܚܨܘܗܝ ܝܘܢܝܐ ܥܠ ܟܤܤܬܗ ܒܙܩܦ ܤ ܘܩܘܫܝ ܬܘ܂ ܩܡܨܐ ܘܕܒܫܐ ܕܒܪܐ ܒܦܬܚ ܒܝܬ܂

De pêlo de camelos (lâmad com reboso). Grego: lâmad com zeqofo. E um cinto cingido (ee com reboso e rish com petokho). De couro em sua cintura. Grego: sobre seus lombos (com zeqofo em semkat e qushaia no tau). Qamtsa e mel do campo (com petokho no bit).

Notas sobre a tradução:

* Coloquei os nomes de pessoas e lugares como são pronunciados em aramaico, de acordo com a Peshitta Interlinear de Paul Younan. Mas não tenho certeza se isto ficará adequado para o projeto inteiro, e provavelmente, no futuro, vou utilizar os nomes em português.

** Bar Hebreus, citando São Basílio, se refere aqui à palavra ‘Ewangelion’, de origem grega, e que é usada apenas em Marcos 1:1. O restante do Evangelho de  Marcos, e os outros três evangelistas, usam a palavra sbarta, de origem aramaica, e que significa mensagem, novas, novidades, notícia, e também é um sinônimo de Evangelho, etc.

*** ‘qamtsa’ pode ser tanto gafanhoto como pastinaca (cheruvia), que é um tipo de raíz. Não está claro para mim a qual o texto se refere.

Continua aqui.

A voz que clama no deserto. Obs.: João é chamado a Voz, pois ele declarou a Palavra [do] Messias [e] Deus. Pois pela voz torna-se conhecida a palavra que está escondida na alma. E endireitem (wau com petokho) suas estradas. Grego: façam retas as estradas do nosso Deus.

Read Full Post »

_1255823841577

Outro [sábio indiano] disse: O vinho proporciona quatro qualidades a quem o bebe. No início é a qualidade de pavão: ele fica feliz com a própria aparência e movimentos. Depois, a qualidade de macaco: ele conversa com todo mundo. Então é a qualidade de leão: confia em sua força e fica exaltado. Finalmente, a qualidade do porco, quando bebe sem moderação, se suja na lama, vomita e exulta como uma besta.

The laughable stories collected by Mâr Gregory John Bar Hebræus. Ditado 113.

Read Full Post »

Parte 1 – Tradução em alemão.

[texts] Buch der Strahlen, Die grassere Grammatik; (Volume 1) – Bar Hebraeus, 1226-1286
26 27
Downloads: 312

Parte 2 – Texto aramaico original, com introdução e notas em francês.

[texts] Le livre des splendeurs : la grande grammaire – Bar Hebraeus, 1226-1286
26
Keywords: Syriac language — Grammar
Downloads: 398

Esta é a gramática aramaica escrita por Bar Hebraeus em sua língua nativa, o aramaico. Axel Moberg primeiramente publicou a tradução em alemão (1907), seguido  da edição do texto aramaico.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: